Um homem fez sua esposa escolher entre ele ou seus cães – ela escolheu os cães

Para Liz Haslam, felicidade é poder cuidar e proteger seus cães de estimação. O que ela recebe em troca? Uma imensa quantidade de amor e gratidão desses filhotes. Trata-se de um vínculo tão forte que não há dúvida em dizer que ela não mudaria isso por nada ou ninguém no mundo.

Liz se casou com alguém que ela achava ser o amor de sua vida: Mike, que conheceu quando ambos tinham 16 anos de idade. Apaixonados, quando terminaram o ensino médio, decidiram se casar.

Eles se estabeleceram no interior da Inglaterra após cada qual deixar a casa dos pais; tiveram um filho chamado Ollie e ficaram juntos por mais de 25 anos. No entanto, nenhum dos elementos desta história foi forte o suficiente para que este relacionamento perdurasse.

“Os cães ou eu”

Um dia, farto dos cães que Liz mantinha em casa, Mike perdeu a paciência e disse: “ou você fica com os cães ou você fica comigo”. Surpresa, Liz declarou: “eu prefiro os cães”.

A razão por trás disso tudo? Quando eles se mudaram para a casa de campo, Liz percebeu que havia espaço suficiente para abrir um negócio que encheria seu coração ainda mais do que os próprios bolsos: a Beds for Bullies, uma fundação para bull terriers que abriga cães que estão em necessidade. No entanto, seu marido sentia que o relacionamento girava apenas em torno dos cães, que tinham muitos problemas médicos e comportamentais que os impediam de serem realocados para novos lares.

Incapaz de compreender o amor de Liz pelos cachorros, algo que ela nutre desde a infância, Mike foi embora. “Eu pensei que após 25 anos juntos, ele entenderia meus motivos e que eu jamais desistiria desses cães, pois eles precisam de mim. Mas infelizmente, eu não conhecia bem o meu marido”, desabafou Liz.

O processo de separação foi amigável e cada qual seguiu seu rumo. “Nós nos afastamos. Após um tempo, ele ficou muito ocupado com o trabalho e não me deu uma segunda chance. Eu não queria ser uma mulher casada com um workaholic, então me refugiei naqueles que me davam amor: meus cachorros”.

As necessidades e exigências do cães deixaram Mike em segundo ou terceiro lugar no que diz respeito às  prioridades de Liz. “Minha paixão por esses cachorros era grande demais para Mike”. Decerto que sim, pois cuidar de 30 cães que necessitam de atenção médica e carinho diário deve deixar qualquer pessoa sem tempo para cuidar até de si mesma.

Liz passa cerca de 18 horas por dia cuidando de seus cães, levando-os para passear e gastando centenas de dólares em remédios e tratamentos.

200 cachorros e contando….

Apesar de tudo isso, a ONG Beds for Bullies ainda funciona normalmente, graças a muitas pessoas generosas. É uma instituição de caridade que se baseia principalmente em doações de indivíduos comuns e em uma pequena empresa que oferece acomodações para animais de estimação sempre que seus proprietários saem de férias. Liz também recebe filhotes resgatados que foram rejeitados por outros abrigos. Ela já admitiu mais de 200 cães resgatados ao longo dos anos e continua a abrigar mais.


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado!

Escrito por Gabriel Pietro.

Exausto e de olhos lacrimejantes. Urso polar aparece em cidade na Sibéria
Jovem recebe visita “mágica” de pequena borboleta e comove as redes sociais
4 quadrinhos hilários explicando porque os gatos são melhores que os cachorros
Vídeo viral flagra baleia gigantesca emergindo do oceano ao lado de barco pesqueiro
4 ingredientes naturais que ajudarão a fortalecer as articulações do seu cachorro
Cachorro que ‘visitava’ diariamente a loja da Casas Bahia em Suzano é adotado por funcionário
Cadela é morta para ser enterrada junto com sua dona
Cachorrinha faz performance de estátua viva com seu dono e vira sucesso em Fortaleza
Gato se esconde em carro e aparece no velório de dona que morreu em acidente de ônibus
Morreu Grumpy, o gato que inspirou milhões com seus memes na Internet
Gato estraga fones de ouvido, dono reclama, e ele volta com uma cobra como “substitutivo”
Gatinha recém-nascida não para de sorrir após ser resgatado das ruas