Há treze anos, o escritor londrino James Bowen, à época com 28 anos, estava prestes a decretar falência. Viciado em drogas, vendeu quase tudo o que tinha para alimentar seu vício. Praticamente sem renda, perdeu a casa e passou a viver em situação de rua.

Completamente perdido e à deriva, James encontrou um filhote de gato que, assim como ele, era sem-teto. Ele resolveu adotá-lo e começou a andar com o felino sobre o ombro enquanto vendia revistas no metrô de Londres, sua única fonte de renda.

O gato, batizado de Bob, cresceu e se tornou muito querido na comunidade, sempre no ombro de seu dono vestido com um cachecol no pescoço. A amizade entre os dois se fortaleceu bastante com o passar dos anos, tornando-se algo muito especial.

Leia também: Foi criado um “Samu” em Florianópolis para socorrer animais acidentados e machucados

“Ele deu-me muito mais do que companhia. Com ele ao meu lado, encontrei uma direção, um propósito, coisas que eu não tinha”, escreveu James na sua página oficial do Facebook.

O relacionamento fraterno e de pura superação de dono e gato motivou uma editora de livros inglesa a querer lançar um livro contando a história deles. James aceitou e sua vida a partir daí nunca mais foi a mesma.

Em 2014, foi lançado o livro “O Que Aprendi com Bob. Lições de vida de um gato de rua”, que se tornou um grande sucesso, vendendo dezenas de milhares de cópias em questão de semanas.

O livro se internacionalizou e transformou a história de Bob e James um best-seller, também transformado em filme. Das ruas, a dupla passou a viver em hotéis de luxo enquanto viajavam o mundo promovendo sua obra.

De sem-teto, James virou milionário.

Leia também: Mulher é presa após socar a cara do namorado porque ele deixou seu cão se molhar na chuva

Infelizmente, no dia 16 de junho (terça), Bob faleceu, já idoso, aos 14 anos.

“A nossa relação milagrosa salvou a minha vida. Durante estes anos, ele conheceu milhares de pessoas, mas a nossa história tocou milhões de outras pessoas. Nunca houve um gato como o Bob. E nunca haverá. Sinto que a luz se apagou na minha vida. Nunca o irei esquecer”, disse James, em tom de despedida. Foram treze anos juntos.

“Primeiro, o Bob mudou a vida do James. Depois, mudou o mundo. Ele representou muito para a revista ‘Cais’ e é uma parte muito importante da nossa história”, lamentou o editor inglês da “Cais”, Paul McNamee. “Ele representa uma segunda oportunidade e a esperança na vida de toda a gente. Representa o nunca desistirmos de ninguém”.

Grande parte dos lucros arrecadados na venda dos livros de Bob e James foram doados para caridade, especialmente para organizações que promovem o bem-estar animal. Descanse em paz, Bob!

Matéria escrita por Gabriel Pietro em exclusividade para o Portal do Animal. Siga-me no Instagram clicando aqui.