ANÚNCIO

A voluntária e ativista da causa animal Penny Richards costuma acolher gatos em situação de rua há anos, desde que se mudou para a Virgínia do Norte, nos Estados Unidos. Seu foco jaz em filhotes, que costumam necessitar de cuidados mais constantes e intensos.

Há alguns meses, ela encontrou um post na Internet que falava sobre um gatinho resgatado das ruas que precisava de atenção com urgência. Uma senhora de bom coração encontrou-o sozinho em seu jardim e decidiu levá-lo para dentro, ao ver que a mãe do gatinho não estava em lugar nenhum.

ANÚNCIO

Leia também: Cadelinha encontrada dormindo em manjedoura de presépio no Piauí é adotada

“Ela estava tentando cuidar dele por alguns dias, mas ela não sabia o que fazer. Se ela não o tivesse acolhido, ele não teria sobrevivido”, disse Penny.

ANÚNCIO

A ativista então se ofereceu para cuidar do gatinho, transferindo-o para sua casa. Desde que recebeu o gatinho, Penny percebeu algo diferente nele: o pequeno era muito redondo e tinha uma forma física muito estranha para um felino.

Batizado de ‘Leo’, o felino estava muito grato por ser cuidado, mas tinha dificuldade para pegar coisas, se alimentar e parecia ter problemas de saúde. Por esse motivo, Penny começou a alimentá-lo com uma seringa ao longo dos dias.

ANÚNCIO

Com muito cuidado, medicação recomendada e dieta regular, o gatinho foi melhorando nas semanas seguintes.

“Bem, com o passar das semanas, percebi que ele empacou no próprio desenvolvimento. Suas orelhas eram achatadas e com seis semanas ele não tinha dentes (os gatinhos geralmente têm dentes em cerca de três semanas)”, afirmou a norte-americana.

Apesar de ter a metade do tamanho de um gato normal para sua idade, Leo estava sempre de bom humor e só queria brincar. “Ele é um bichano incrivelmente feliz, desde o início, sempre ronronando e caminhando com seu estranho andar de pernas cruzadas.”

Após ser examinado por um veterinário especializado, o adorável felino foi oficialmente diagnosticado com hipotireoidismo, uma doença rara em gatos. “O hipotireoidismo inibe o desenvolvimento cognitivo, bem como o desenvolvimento físico, por isso Leo sempre foi ‘especial’. Essa condição causava atrasos no desenvolvimento, entre outros sintomas”, disse Penny.

Leo tinha membros muito curtos e um corpo redondo, ele também tinha uma cabeça larga e seu rosto muito mais achatado do que a maioria dos gatos. Seu hipotireoidismo era definitivamente congênito e talvez sua mãe o tenha abandonado porque ele não conseguia se agarrar a ela e era difícil alimentá-lo por causa de sua condição física.

O bichano recebeu medicamentos para a tireoide e eles rapidamente começaram a notar uma ligeira melhora em seu desenvolvimento físico. “Com o tempo, ele se tornou mais um gato e menos uma bola de pelos. Também aprendeu a usar a caixa sanitária, a beber água e a comer alimentos sólidos, embora tudo isso demorasse muito”, afirmou a voluntária.

Quando Leo aprendeu a comer em um prato, ele devorou ​​alegremente várias refeições ao longo do dia; seu peso aumentou e sua energia disparou. Com a ajuda da medicação certa, finalmente seus dentes saíram e, apesar de um pouco descoordenado, Leo não parava de brincar.

À medida que Leo avançava em seu desenvolvimento, ele se tornava cada vez mais curioso e ativo, e sua personalidade começou a aparecer. Quando ele tinha 10 semanas de idade, pesava cerca de 1 quilo; sua visão e audição haviam se recuperado e ele estava trabalhando para aprimorar suas habilidades felinas.

Nas semanas seguintes, o gatinho ‘malhado’ realmente floresceu e estava cada vez mais perto de estar pronto para seu próximo capítulo de vida. “Um casal incrível me contatou para adotá-lo, então, quando ele tinha quase quatro meses de idade, estava desenvolvido o suficiente e tínhamos níveis de tireoide estáveis, eles o adotaram.”

A nova família de Leo o enche de muito amor e lhe dá os melhores cuidados para que tenha a melhor qualidade de vida. Sua família diz que ele é muito travesso, quase nunca cai de pé e não consegue pular, mas isso não o impede e ele continua dormindo de costas.

Leo teve que lutar muito depois de ser resgatado, mas sempre foi um pequenino muito alegre, carinhoso, brincalhão e adora ser abraçado.

“Estou muito, muito feliz por tê-lo visto crescer de uma bola de pelo a um gatinho que ama a vida!”, resumiu Penny.

Leia também: ‘Rocha do Elefante’, a incrível falésia de 200 metros de altura localizada na Islândia

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

Você pode gostar: