Gatos ou cachorros: pesquisa indica qual espécie é mais inteligente

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Quem é mais inteligente: um cachorro ou um gato? A pergunta parece inocente, mas pode gerar debates intermináveis entre os apaixonados por um ou outro animal. Para nossa sorte, e o bem das nossas amizades, sempre tem um cientista — ou vários — preocupado em respondê-la.

ANÚNCIO

Desta vez, foi um grupo deles, formado por pesquisadores de seis universidades de quatro países (África do Sul, Brasil, Dinamarca e Estados Unidos), que resolveu investigar a questão. Considerando o número de neurônios no córtex cerebral (a camada mais externa no cérebro), eles chegaram à conclusão de que os cachorros ganham a disputa.

via GIPHY

ANÚNCIO

Apesar de estimativas anteriores, que diziam que os gatos teriam o dobro da quantidade de neurônios dos cachorros, os achados desse grupo de cientistas encontrou aproximadamente 530 milhões de neurônios no córtex cerebral dos cachorros e 250 milhões no de gatos.

Para chegar a isso, os pesquisadores transformaram o córtex cerebral de três animais — um gato e dois cachorros, um golden retriever e um vira-lata — em uma “sopa”. Nela, ficaram suspensos os núcleos dos neurônios que fizeram parte do cérebro dos bichos, os quais foram então contados para a obtenção dos resultados.

ANÚNCIO

Mas como isso se relaciona com a inteligência?

Bem, conforme a pesquisadora Susana Herculano-Houzel, da Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos, os neurônios indicam a capacidade cognitiva dos animais. Quanto mais deles houver, maior ela é.

Em entrevista à National Geographic, a cientista explica, ainda, que os neurônios do córtex cerebral são especialmente importantes, pois não servem para processar estímulos absorvidos pelos sentidos, mas sim para juntar esses estímulos, com o objetivo de tomar decisões e resolver problemas, entre outras funções. “O córtex é a parte do cérebro que dá complexidade e flexibilidade”, explicou.

ANÚNCIO

Outras pesquisas que se propuseram a “medir a inteligência” de animais optaram por métodos que envolviam a medição do próprio cérebro e de sua complexidade estrutural. Contudo, esses caminhos não são considerados adequados pelos cientistas, já que há poucos indicativos científicos que relacionem um cérebro grande, por exemplo, a inteligência.

E outros animais?

Apesar do nosso amor por cães e gatos — e consequente interesse em qualquer informação que possa esquentar os debates entre “cat people” e “dog people” —, a pesquisa realizada por Herculano-Houzel e seus colegas não focou apenas nesses animais.

Ao todo, foram analisados cérebros de oito espécies carnívoras: furão, mangusto, guaxinim, gato, cachorro, hiena, leão e urso-pardo. Conforme os resultados, os cachorros têm nível de inteligência semelhante ao dos guaxinis e leões, enquanto os gatos estão mais próximos dos ursos.

Contudo, todos eles ainda ficaram longe dos humanos, que têm aproximadamente 16 bilhões de neurônios no córtex cerebral.


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado