O tempo de um cão na Terra é muito breve em comparação com o legado duradouro que deixam em nossas vidas – mas poucos deixaram uma marca tão indelével na história como Bretagne, que faleceu esta semana aos 16 anos.

A Bretagne tinha apenas um ano de idade quando, nos dias após os ataques de 11 de setembro no World Trade Center, ela foi enviada para o Ground Zero com membro da Equipe de Busca e Resgate K9 da Cy-Fair Volunteer Fire Department , do Texas.

Servindo ao lado de sua dona, Denise Corliss, a Bretagne passou semanas vasculhando os destroços em busca de sobreviventes e restos mortais daqueles que haviam perecido, enquanto, ao mesmo tempo, oferecia alívio emocional a seus companheiros de resgate.

Centenas de cães ajudaram nos esforços, embora com o tempo, Bretagne tenha sido o último entre eles.

O bravo trabalho de Bretagne no Ground Zero não seria a última vez que ela se apresentava durante um período de crise nacional. Mais tarde, ela serviu em esforços de resgate similarmente heróicos na sequência do furacão Katrina e do furacão Rita.

A Bretagne aposentou-se oficialmente em 2010, mas continuou a servir sua comunidade de outras formas. Desde então, até poucas semanas antes de sua morte, ela era uma visitante regular de escolas locais, oferecendo aos alunos ansiosos um público paciente para ajudá-los a praticar a leitura.

No ano passado, a Bretagne foi reconhecida como a última sobrevivente canina após o 11 de setembro . No 14º aniversário daquele dia triste, com o rosto claramente tocado pelo tempo, Bretagne retornou ao local para homenagear aqueles que lá perderam suas vidas.

Como a saúde de Bretagne começou a se deteriorar nas últimas semanas, Corliss tomou a decisão comovente de acabar com seu sofrimento . Na segunda-feira, dezenas de membros do serviço se reuniram para dar um último adeus a ela em sua caminhada final – saudando o corajoso cão, como colega e amigo.

Como todos os cães que servem, os anos de trabalho incansável de Bretagne e todas as vidas que ela tocou nunca podem ser totalmente medidos – mas o legado que ela deixou para trás viverá para sempre naqueles que a conhecem melhor.

“Alguns podem dizer que o máximo que um cachorro pode ser é um animal de estimação, mas para os mais de 400 membros do Corpo de Bombeiros Voluntário Cy-Fair, Bretagne era um funcionário público, um herói e parte da família”, escreveu o departamento em um comunicado. “Vamos nos lembrar dela com carinho e continuar servindo a comunidade com ela como inspiração.”


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado


(Artigo originalmente escrito em 2016, colocado agora novamente online como homenagem a Bretagne e a todos que de alguma forma serviram naquela trágida nas torres gêmeas).

Tradução e adaptação Portal do Animal – Fonte: The Dodo