Menos 82% de animais selvagens, 47% de ecossistemas e 25% das espécies podem se extinguir. É esse o estado do Planeta

Nos primeiros 13 anos do século XXI a área de floresta sem interferência do homem desceu 7%, valor que representa, em território, França e o Reino Unidos juntos

Esse é o maior estudo alguma vez realizado sobre o estado de saúde do Planeta e os resultados são aterradores. As conclusões do Global Assessment Report das Nações Unidas apontam mesmo para o perigo da continuação da sociedade humana devido ao declínio acelerado dos sistemas naturais de suporte de vida na Terra. Segundo o relatório, feito por alguns dos mais importantes cientistas do mundo, a natureza está a ser destruída a uma velocidade que é centenas de vezes maior à média dos últimos 10 milhões de anos.

Vamos à primeira leva de números assustadores. Segundo os resultados da investigação que envolveu mais de 450 cientistas e diplomatas, a biomassa de mamíferos selvagens caiu em 82%, os ecossistemas naturais perderam metade da sua área (47%) e um milhão de espécies estão em risco de extinção (25%). Duas em cada cinco espécies de anfíbios estão em risco de desaparecer, um terço dos corais formados em recife também. Há animais marinhos a diminuírem para um terço e estima-se que 10% dos insetos, fundamentais para a polonização das plantas, possam estar também sob o risco de extinção.

A causa para a destruição está nas ações do Homem que é também quem sofre as consequências: a produção agrícola está em risco devido à terra degradada; a água doce está a diminuir e há ainda toda a questão das alterações climáticas.

“A saúde dos ecossistemas dos quais nós e outras espécies dependemos está a deteriorar-se mais rapidamente do que nunca. Estamos a destruir os próprios fundamentos das economias, meios de subsistência, segurança alimentar, saúde e qualidade de vida, em todo o mundo ”, disse Robert Watson, presidente da Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services (Ibpes), ressalvando que não se pode perder mais tempo e que “temos de agir agora.”

Gastamos 60 mil milhões de toneladas de recursos, por ano

O relatório mostra o tamanho da pegada ecológica que deixamos: três quartos de todas as terras do planeta foram transformadas em campos agríolas, cobertos por cimento, transformados em reservatórios de barragens ou alterados de outra forma. Mais: dois terços do mundo marinho são agora zonas de criação de peixe, rotas de navegação, minas submarinas, entre outras coisas. Com tudo isto, a sobrevivência de mais de 500 mil espécies está em risco, uma vez que não há zona suficiente para o seu habitat. No espaço de décadas, sugere o relatório, muitos animais podem vir a desaparecer.

O impacto no Planeta tem vindo a crescer, bem como a disseminação de zonas afetadas pelos humanos. “Estamos a deslocar o nosso impacto ao redor do planeta, de fronteira para fronteira”, disse Eduardo Brondizio, co-presidente do Ibpes, da Universidade Nacional de Córdoba, na Argentina. “Mas estamos a ficar sem fronteiras … Se continuarmos os negócios normalmente, vamos assistir a um declínio muito rápido na capacidade da natureza de fornecer o que precisamos e proteger as mudanças climáticas”.

s industrias alimentares são as responsáveis por grande parte da pegada. Além da agricultura e da pesca, é de destacar a da carne: segundo o relatório, é responsável por cerca de 25% do gelo derretido no mundo e por mais de 18% das emissões de gases que criam o efeito de estufa. Há ainda a erosão do solo, uma vez que os pastos de gado têm vindo a substituir florestas e outros ecossistemas recheados de natureza, sem esquecer as doenças da própria terra.

As zonas húmidas, naquilo que se refere aos habitats, representam as maiores perdas: 83% destas áreas foram drenadas, desde o século XVIII, o que afeta substancialmente tanto a qualidade da água, como a vida vida das aves. As florestas, sobretudo nos trópicos, estão a diminuir – só nos primeiros 13 anos do século XXI a área de floresta sem interferência do homem desceu 7%, valor que, segundo o jornal britânico, representa, em território, França e o Reino Unidos juntos. Apesar de a taxa de desmatamento ter diminuído, a realidade é que foram plantações de monoculturas a substituírem a selva e a floresta.

Falta ainda falar dos oceanos. Só 3% das áreas marinhas é que não têm interferência humana, sendo que a pesca se realiza em mais de metade dos oceanos do planeta, o que faz com que um terço das populações dos peixes estejam a ser excessivamente exploradas.

Ainda que as alterações climáticas, a poluição e as espécies invasoras tenham um impacto inferior, a forma como condicionam o planeta está a crescer: mesmo que se trave o aquecimento global na meta estabelecida pelo Tratado de Paris, que apontou para os 1,5 a dois graus Celsius, a diversidade de espécies corre o risco de diminuir drasticamente.

Segundo o relatório, o crescimento populacional do planeta é um dos fatores que mais contribui para este cenário negro. A pegada deixada pelos países desenvolvidos é muito superior à dos países mais pobres.

Desde 1980 que o ser humano extrai 60 mil milhões de toneladas de recursos, todos os anos, o que significa que o valor vai já no dobro e o planeta não tem capacidade para aguentar. Segundo o relatório, mais de 80% das águas residuais são despejadas em lagos e oceanos, sem tratamento, em conjunto com cerca de 300 a 400 milhões de toneladas de metais pesados, lama tóxica e outro tipo de descargas industriais. Relativamente ao plástico, os resíduos deste material aumentaram dez vezes nos últimos 40 anos, o que cria um impacto brutal no mundo dos animais marinhos: afeta 86% das tartarugas marinhas, 44% das aves marinhas e 43% dos mamíferos marinhos. O resultado do escoamento de fertilizantes também é assustador: existem neste momento 400 zonas mortas, numa área que corresponde ao tamanho do Reino Unido.

“Esta é a verificação de saúde planetária mais completa, detalhada e extensiva. A mensagem para levar para casa é que deveríamos ter ido ao médico mais cedo. Estamos em um mau caminho. A sociedade em que gostaríamos que nossos filhos e netos vivessem está em perigo real. Eu não posso exagerar, ”diz, citado pelo “The Guardian“, Andy Purvis, professor do Museu de História Natural de Londres e um dos principais autores do relatório. “Se deixarmos esta trapalhada às próximas gerações, elas não nos vão perdoar.”

Mudança radical em todos os setores

A perda da biodiversidade entrou, pela primeira vez, na agenda dos G8. Estudos, relatórios, conferências estão a ser organizados de forma a que se estabeleça um plano de ação, que inclua metas para que se ponha um travão à tragédia ambiental. O Reino Unido já encomendou a um professor da Universidade de Cambridge, Partha Dasgupta, um estudo sobre o caso económico da natureza. A China vai receber uma conferência fundamental da ONU de forma a que estabeleçam metas globais para a biodiversidade.

“O relatório pinta um quadro bastante preocupante. O perigo é que colocamos o planeta numa posição onde é difícil recuperar ”, disse Cristiana Pașca-Palmer, chefe da principal organização de biodiversidade da ONU. Mas, segundo a mesma, ainda há esperança: “Há muitas coisas positivas a acontecerem. Até agora não tivemos vontade política de agir. Mas a pressão pública é alta. As pessoas estão preocupadas e querem ação. ”

Uma das conclusões do relatório é que as soluções até agora apresentadas são insuficientes. O plano terá de ser reformulando e deverá integrar medidas muito mais radicais, que afetarão todos os principais pilares da sociedade, desde a política, à economia e tecnologia.

Segundo Cristiana, as agendas de política local, nacional e internacional precisam de estar alinhadas e de ter em vista a luta contra a deterioração do planeta. A cooperação entre os setores de comércio, controlo dos níveis de desigualdade, fiscalizações mais assertivas e nova legislação ambiental também terão de ser introduzidos para que se trave este problema mundial. O apoio das comunidades indígenas, habitantes de florestas e pequenos proprietários também são fundamentais, uma vez que os ´”últimos investimentos para a natureza estão em áreas administradas por estes grupos.” Ainda assim, “as pressão começa a ser prejudicial, à medida que diminuem a vida selvagem e o conhecimento para conseguir geri-la.”

Está no limiar de ser impossível, mas ainda há saída. “A situação é complicada e difícil, mas não podemos desistir. O relatório mostra que há uma saída. Acredito que ainda podemos dobrar a curva ”, disse Josef Settele, co-presidente do Ipbes e entomologista do Centro Helmholtz de Investigação Ambiental na Alemanha. “As pessoas não devem entrar em pânico, mas devem fazer uma mudança drástica.”


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado

Jovem recebe visita “mágica” de pequena borboleta e comove as redes sociais
4 quadrinhos hilários explicando porque os gatos são melhores que os cachorros
Vídeo viral flagra baleia gigantesca emergindo do oceano ao lado de barco pesqueiro
20 pessoas que levaram a frase “faço tudo por meu animal” para um outro patamar
Cadela é morta para ser enterrada junto com sua dona
Cachorrinha faz performance de estátua viva com seu dono e vira sucesso em Fortaleza
Esse Shiba Inu é a flor mais fofa do Japão e suas fotos estão fazendo pessoas felizes no mundo inteiro
Mulher que trabalha em drive-thru tira fotos de cada cachorrinho que aparece em sua janela
Morreu Grumpy, o gato que inspirou milhões com seus memes na Internet
Gato estraga fones de ouvido, dono reclama, e ele volta com uma cobra como “substitutivo”
Gatinha recém-nascida não para de sorrir após ser resgatado das ruas
Homem encontra gatinho com cadarço amarrado em volta do pescoço