Cãozinho ganha deformidade física devido à rejeição das três famílias pelas quais foi abandonado

Em 2014, funcionários do abrigo ‘Camo Rescue’, em Dallas, no Texas (EUA), encontraram um cãozinho chihuahua na rua com apenas algumas semanas de vida e o levaram até seu canil. Lá, ele foi batizado de ‘Finn Alexander’.

O cachorro permaneceu sob os cuidados do abrigo por dois anos até ser adotado por uma família que prometeu amá-lo e protegê-lo.

Em 2019, três anos após seu acolhimento, Finn retornou ao Camo Rescue novamente, desta vez para ser devolvido, uma vez que seus donos alegaram “não aguentar mais o estilo de vida dele”. Os funcionários do abrigo trabalharam por meses para arranjar uma nova família pro doguinho, e conseguiram ao final daquele ano.

Leia também: Cachorrinho idoso é abandonado em porta de abrigo porque ‘ficou velho demais’

Bem, dois anos se passaram, e eis que Finn é encontrado abandonado… de novo. Desta vez, ele estava em uma caixa com brinquedos e vasilhas, descartado em um parque da cidade.

Desta vez, o cachorrinho parecia bastante diferente, com o corpo encolhido e um tanto quanto retorcido. À primeira vista, os socorristas acharam que o animal havia sido vítima de maus-tratos.

O cachorro teve que ser submetido a alguns exames, onde não se constatou nada; no entanto, um veterinário determinou que o seu corpo tinha assumido aquela deformidade devido à rejeição que ele havia experimentado três vezes.

Leia também: Gatinho de rua resgatado vence doença fúngica no rosto e é adotado por família amorosa

Sensibilizados com essa afirmação, o abrigo Camo Rescue decidiu contar a história do doguinho em um post no Facebook.

“Não é porque vêm da rua quer dizer que você pode abandoná-lo” – esta foi a mensagem final que o abrigo postou, tentando fazer um chamado à sociedade que costuma olhar torto para bichinhos de rua que só procuram igualdade.

Agora o Camo Rescue lançou uma nova campanha no Facebook com o objetivo de que o chihuahua encontre uma nova família, mas desta vez com o slogan “abandonar nunca mais” para que nenhuma família o acolha pensando em descartá-lo quando se ‘cansar’ dele. “Animais merecem ser felizes até o fim de seus dias”, completou a ONG.