Certo dia, enquanto voltava para casa, um jovem de Tucson, no Arizona (EUA), avistou um cartaz que dizia “Acolha um filhote“. Ele, que já estava interessado em adotar um cãozinho há algum tempo, viu naquela oportunidade a chance de levar um filhote para casa.

Naquela manhã, ele adotou o cachorro e o batizou como ‘Neo‘. Foi amor à primeira vista: o filhote era muito doce e tímido, e ainda fazia cocô em todos os lugares! O único problema era que sempre que seu dono precisava sair, Neo chorava muito.

Leia também: Cachorrinho abandonado por dono fica 9 horas esperando que ele retorne para buscá-lo

Como o jovem era um estudante universitário e estudava em tempo integral, ele não teve escolha a não ser deixar o filhotinho sozinho em casa. Para que ele não escapasse, o estudante decidiu construir uma cerca em volta da casa.

Os anos foram se passando, e Neo cresceu consideravelmente, de modo que a cerca não era mais suficiente para impedi-lo de escapar (se ele quisesse). Dito e feito!

Neo, agora adulto, mantinha o hábito de literalmente ‘pular a cerca’ para brincar com seus amigos cães da vizinhança ao lado. No entanto, ele sempre voltava para casa antes do dono retornar!

O dono do cão começou a ficar impressionado com a inteligência e a sofisticação de Neo. E mais ainda com sua aparência física, cada vez mais imponente e selvagem.

Apreensivo, ele decidiu levá-lo até um abrigo para que médicos veterinários o examinassem.

Leia também: Cachorra que se perdeu do dono consegue encontrá-lo graças ao barulho de sua moto

No abrigo da ONG Humane Society of Southern Arizona, nos EUA, os veterinários fizeram uma série de exames com Neo. Horas depois, veio o resultado chocante…

O grandalhão era um lobo!

Chocado com a descoberta, o rapaz não teve outra opção a não ser entregar seu ‘cão’ para as autoridades ambientais, uma vez que a lei do Arizona proíbe a posse de animais selvagens em casa.

A ONG Wolf Connection assumiu a responsabilidade pelo animal e possibilitou sua adaptação na natureza. Hoje, Neo vive como deveria: em seu habitat natural amplo e aberto, livre para ele vivenciar seus instintos.

O estudante que cuidou dele por anos agora o visita mensalmente, para matar as saudades.

Apesar da distância e da diferença dos ‘mundos’ a que estão inseridos, humano e lobo ainda mantém uma ligação fraterna, como grandes amigos que foram um dia.

Saiba mais assistindo ao vídeo abaixo:


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado!