A transformação inacreditável de um cão que viveu toda a vida na rua

Benji passou a vida inteira nas ruas e nunca tinha conhecido o sabor de um toque amoroso, logo não sabia como poderia confiar no ser humano. Mas tudo mudou quando Benji conheceu Eldad Hagar, co-fundador da organização de resgate de animais “Hope For Paws”.

Hagar ouviu falar da situação de Benji e foi procurar por ele nas ruas de Los Angeles na esperança de o resgatar e dar-lhe uma vida nova. Mas Hagar teve o seu trabalho dificultado, já que Benji estava extremamente assustado e desconfiado, “Foi difícil para ele confiar”, disse Hagar.

Foi preciso algum tempo para que Benji pudesse ser resgatado com segurança, mas com muita dedicação e com a ajuda da sua companheira Lisa, o animal foi resgato e levado para o veterinário, onde foi limpo e lhe foi cortado o pelo.

Apesar da situação do pequeno cãozinho ter sido uma das mais dificeis que Hagar tinha encontrado, o cão está agora bem, e vive muito feliz com os seus novos amiguinhos.


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado

Soldado canadense resgata e adota chimpanzé que vivia em área de guerra do Iraque
Urso decide que o armário de uma casa é um bom lugar para tirar um cochilo
Conheça a inacreditável história do filhote que “caiu do céu” na Austrália
Conheça a incrível história de amizade entre um esquilo órfão e a cachorrinha que o ‘adotou’
Idosa de 89 anos tricota mais de 450 cobertores para cães de abrigo
Homem descobre o que sua namorada faz com sua cachorrinha enquanto está ausente!
Bulldog que ficou presa em porão por anos tem linda reação ao ser resgatada
Cachorro idoso que tinha tumor ganha lar adotivo: ‘Tem muito o que viver ainda’
Homem com deficiência salta de cadeira de rodas e se arrasta para salvar gatinho em perigo
Gato se esconde em carro e aparece no velório de dona que morreu em acidente de ônibus
Morreu Grumpy, o gato que inspirou milhões com seus memes na Internet
Gato estraga fones de ouvido, dono reclama, e ele volta com uma cobra como “substitutivo”