Há cerca de duas semanas, a norte-americana Jayme Harley acordou subitamente com o barulho do seu celular apitando: era uma mensagem do namorado, que havia enviado uma foto de um cão de aparência triste e cansada encontrado em um posto de gasolina.

Em seguida, ele escreveu: “Jayme, vá buscá-lo!”.

A imagem comovente do cachorro espantou o sono dela, que rapidamente saiu da cama, se arrumou, pegou o carro e dirigiu até o posto, onde o animal estava, inclusive, na mesma posição que trinta minutos antes.

Ela se aproximou do doguinho e tentou estabelecer um vínculo. Ele parecia cansado e quieto. Aos poucos, revelou-se dócil, tranquilo e carente, sempre afeito a um bom carinho.

Após oferecer água e comida para o cachorro, Jayme conseguiu convencê-lo a entrar em seu carro. Em questão de poucos minutos, ele dormiu no banco, absolutamente seguro de sua nova amiga.

Aaron Peters, namorado de Jayme, avistou o pit bull enquanto dirigia em sua rota matinal de entrega pela FedEx. Durante uma parada para abastecer, deu de cara com o cachorro e ficou cativado pelos gentis olhos azuis brilhantes dele.

“Parecia que ele precisava de uma família”, disse Peters ao portal The Dodo. “Achei que poderíamos dar a ele um lugar bom para morar.”

Daí a ideia de mandar mensagem para Jayme e convencê-la a ir buscar o cãozinho. Àquela altura, o casal de Kinta, Oklahoma (EUA), que já tem um cão adotado em casa, queria adotar outro.

Quando o pit bull entrou no carro da jovem, uma mulher que estava no posto fez um comentário meio desagradável para ela. “[Ela] me disse que o viu ser abandonado. E que ninguém o aceitaria porque ele era um pit bull. Isso partiu meu coração porque não deveria importar de que raça ele fosse. Tudo o que ele queria era alguém que o amasse”, disse Jayme.

No caminho para o veterinário, o cachorro dormiu confortavelmente, roncando alto.

“Isso me fez sentir que aquele era o momento perfeito [para considerar sua adoção]”, disse Jayme. “Senti que ele sabia que teria um lugar para dormir naquela noite. Ele teria comida. E finalmente teve a ajuda de que precisava.”

Ao chegar no consultório, constatou-se que o cachorro não tinha um microchip, isto é, seus antigos donos não poderiam ser identificados. Fora isso, ele estava saudável e bem de saúde, apenas com uma sarna que poderia ser tratada sem grandes problemas.

Naquela tarde, Jayme batizou o pit bull de Rufus, e levou-o para sua casa. Ela estava um pouco apreensiva sobre como ele se encaixaria na família – mas ele rapidamente se tornou amigo de seu outro cachorro.

“Eles começaram a adorar um ao outro e desde então são melhores amigos. Eles dormem juntos. Eles fazem tudo juntos”, disse ela.

Mais: Rufus não demorou muito para se dar bem com o gato de casa, os filhos e o namorado de Jayme. O cachorro se sentiu em casa. “Ele é cachorro maravilhoso”, resumiu Aaron.

O casal não poderia ter adotado um novo pet em melhor hora. “Trazê-lo pra cá adicionou mais calor à nossa casa. Ele adicionou muito mais risadas”, disse a jovem. “Ele era a peça final de nossa família de que precisávamos. Ele era a peça final que nem sabíamos que precisávamos.”