Não costumamos pensar muito à respeito, mas quanto mais tempo os cães são expostos à situação precária das ruas, mais estão propensos a desenvolverem traumas psicológicos decorrentes dessa realidade, como a violência, o abuso, a fome e os maus-tratos.

Pensando nisso, um grupo de voluntários, veterinários e socorristas dos EUA se uniram para ajudar no resgate e reabilitação desses cães.

Uma delas, uma husky chamada Lilac, estava abandonada há anos até ser acolhida pela ONG “Hope For Paws”.

No abrigo, os socorristas notaram o estado de trauma que a cachorra estava exposta. Ela não confiava em humanos e manifestava extremo medo de ser agredida quando alguém se aproximava.

Apesar de tudo, Lilac não era agressiva, ela apenas queria fugir. Ao chegar no abrigo, os socorristas deram um banho nela, mas ela continuava reclusa e tímida.

Ela estava tão assustada que passou boa parte do primeiro dia no abrigo encolhida num canto do abrigo, com medo de tudo e de todos.

Leia Também:

Todos sabiam que aquilo era apenas uma fase – ninguém desistiu dela. Os voluntários do abrigo entenderam que, com muito amor e paciência, a husky iria melhorar.

Após alguns meses de recuperação, Lilac começou a interagir melhor com os humanos e os cães ao seu redor. Ela estava mostrando sinais de que logo poderia ser adotada.

Não demorou muito para uma potencial adotante, Tanja, se interessar por ela e levá-la para casa, onde Lilac teria a companhia de outro cachorro.

Ninguém sabia como seria a reação de Lilac ao ver a mulher, mas eles tinham que tentar. Felizmente, o jeito calmo e atencioso dela conquistaram a cachorra.

Lilac apoiou a cabeça no braço de Tanja e a olhou como se estivesse falando: “Oi, eu sou Lilac. Você parece ser uma boa pessoa.”

Talvez você ache que isso não é grande coisa, mas essa foi a primeira vez em que a cachorrinha se aproximou de alguém por iniciativa própria!

Depois disso, a cachorra foi oficialmente adotada e logo estava em seu novo lar. Tanja fez questão de dar muita atenção e ajudar Lilac a se curar de seus traumas.

A cada dia que passa em sua nova casa, a cadelinha está melhor. Ela realmente “floresceu” e agora vive muito feliz junto de seu irmão e sua mãe.

Saiba mais assistindo ao vídeo abaixo:

Leia Também:


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado!