ANÚNCIO

No já distante ano de 2016, a brasileira Wellem Chagas acolheu a cadelinha Saga. À época, ela demonstrava ser bastante ansiosa, provavelmente devido a abusos físicos e emocionais que sofrera na mão de seus antigos donos.

Segundo Wellem, até hoje a cachorra “morre de medo de gaiolas”.

ANÚNCIO

Bem, de lá pra cá, a tutora tem cuidado de Saga com muito amor e carinho. “E em todos esses anos ela tem me dado tanto carinho e amor também. Um amor incondicional”, disse.

Há cerca de oito meses, infelizmente, Wellem descobriu que a cachorrinha tem um câncer agressivo na região da boca.

“Eu fiquei devastada, o veterinário disse que ela tinha semanas de vida. Não temos a opção de cirurgia e a quimio nesses casos não funciona. Com todo o carinho desde então tenho cuidado dela, mas como é difícil ver seu bichinho doente”, desabafou.

ANÚNCIO

Leia também: Cãozinho que vivia com pedaço de madeira preso ao pescoço ‘para não fugir’ é resgatado

À medida que a doença avança, a família Chagas tem tentado dar à ela os melhores cuidados paliativos dispostos. “O câncer está crescendo e parece que cada dia leva um pedaço do meu coração! Como que faz pra aceitar isso? Minha Saga, minha bebê peluda. Como dói … “, lamentou a mãe adotiva.

ANÚNCIO

O desabafo de Wellem foi compartilhado há algumas semanas nas redes sociais e rapidamente viralizou entre os usuários. Muitos deixaram mensagens de apoio e força à cachorrinha.

“Siga em frente; demonstre todo seu amor por ela, faça tudo por ela, os mimos, o que ela gosta de comer, brinquedos etc. Tudo! Para que ela saiba e se sinta amada. Obs: Procura outro veterinário para ver o que ele te diz, uma vez levei meu gatinho para o veterinário ele falou que tinha meses de vida, porque tinha problemas na pele, ele viveu comigo muitos e muitos anos”, comentou uma mulher.

“Não desista, ouça a opinião de outros profissionais, não se conforme com o pior logo de cara e se após outras tentativas o diagnóstico for o mesmo cuide dela com todo amor até o fim mas busque outras opiniões antes de aceitar o sofrimento dela”, afirmou outra.

Leia também: Polícia Civil resgata 80 cachorros vítimas de negligência e maus-tratos em Quatro Barras (PR)

“Vai a outros dois veterinários. O Zuluzinho também teve. E ficou mais 7 meses com a gente. Fiquei sabendo anos depois que tem uma doença de pombo que dar uma doença parecida na boca do cachorro. Que você possa dar todo amor. Um beijo!”.

Você pode gostar: