Gatinha com apenas 232 gramas confinada em gaiola, é finalmente resgatada e vira xodó em abrigo

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Como você se sentiria se estivesse no lugar desses gatinhos? Um mais lindo do que a outro, mas a vida dos cinco que compunham a ninhada foi bem o contrário disso.

ANÚNCIO

Juntos, eles foram obrigadas a ficar confinados em uma gaiola pequena durante horas, dentro de um abrigo rural. Lá, não havia qualquer tipo de esperança que os motivasse a continuar.

Um deles, inclusive, não resistiu ao chegar ao abrigo. Felizmente, lá estava também a pequena Bijou que conseguiu chegar em um lar adotivo temporário após apenas 48 horas de vida. E apesar de tudo colaborar para sua morte, a gatinha foi ficando cada vez mais forte, se recuperando aos poucos.

ANÚNCIO

Com seus irmãos, não foi nada diferente. Logo eles já estariam prontos para uma futura adoção.

O único problema, entretanto, era com Bijou. A tão pequena e adorável gatinha gerou preocupação uma vez que tinha apenas 73 gramas e, quando chegou aos 113 g deixou todos espantados. Afinal, ela parecia ter parado de crescer.

ANÚNCIO

Segundo os veterinários, ela até ganhava umas gramas a mais, porém perdia pouco tempo depois. O que ninguém esperava era que a situação fosse chegar em um nível tão crítico a ponto de Bijou, inclusive, ter um colapso.

Após muito insistir, finalmente, a gatinha voltou e ainda mais forte com suas 140 g já na semana seguinte. Eles só não imaginavam que ela fosse permanecer assim, micro, conseguindo atingir a marca de apenas 232 g após nove semanas de tratamento.

Felizmente, ela agora está bem cuidada e é definitivamente saudável graças ao atendimento do National Kitten Coalition. Mas, acredite ou não, não são todos que ”agradecem” ao cuidado deles. Muitos até os criticam com perguntas como: “por que gastar tanto tempo/esforço em apenas um filhote de gato quando tantas pessoas precisam tanto de ajuda”.

ANÚNCIO

A resposta deles? “É que toda vida é importante, e quando nos comprometemos, não desistimos só porque a estrada é difícil, contanto que a qualidade de vida seja boa para o animal.”