ANÚNCIO

No início deste mês, agentes da Polícia Civil de São Paulo (SP) e ativistas em favor dos animais se uniram para resgatar um gatinho em condições extremas de vulnerabilidade e negligência. O animal estava preso ao pescoço por uma corrente metálica anexada à parede e mal conseguia se mexer.

“Manter um gatinho amarrado com uma corrente o tempo inteiro, é um dos crimes mais cruéis que se possa cometer, ainda mais sem acesso a água e alimentos”, lamentou o delegado Bruno Lima, que liderou o processo de resgate.

ANÚNCIO

Leia também: Mulher amorosa adota cachorrinha que encontrou em terreno baldio: ‘Amo muito minha Sofie’

O felino tem apenas 3 meses de vida, o que deixa o caso ainda mais revoltante e lamentável. “Tão pequeno e já sofreu tanto”, disse Bruno. Após um início de vida tão atribulado, o gatinho enfim será cuidado da maneira que merece.

ANÚNCIO

De acordo com Bruno Lima, o resgate e acolhimento do filhote foi feito em parceria com o Instituto Luisa Mell, uma das maiores ONGs do Brasil, além dos ativistas Bruno Tibu e Leo Bapp.

ANÚNCIO

Leia também: Cadelinha foge de casa para viver romance e 2 meses depois, dá à luz ninhada de filhotes

“Jamais aceitaremos qualquer ato de maus-tratos. Seguimos salvando vidas!! “, garantiu o delegado em um post compatilhado no Instagram, onde mostra o gatinho sendo salvo para seus mais de 1 milhão de seguidores.

Em menos de uma semana, cerca de 75 mil pessoas curtiram o vídeo e deixaram comentários.

#1

#2

#3

#4

#5

Saiba mais assistindo ao vídeo abaixo:

Você pode gostar: