Cãozinho órfão recém-adotado só para de chorar quando ouve o batimento de sua dona

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Um filhote precisou de uma dose extra de carinho de sua mãe adotiva para se sentir seguro, após uma perda devastadora.

ANÚNCIO

Rhett foi o primeiro dos seis filhotes da ninhada a nascer. Dias após o parto, sua mãe foi encaminhada para um abrigo de cães e 3 de seus irmãos para outro. Por fim, ele e seus dois irmãos restantes foram adotados por Mariann Wright-Feliciano.

Quando tudo parecia ter se acalmado, outra tragédia aconteceu: um de seus irmãos ficou muito doente e acabou falecendo.

ANÚNCIO

A causa da morte não ficou bem explicada, e Mariann temia que o mesmo pudesse acontecer com Rhett, caso a doença fosse genética.

Não obstante, alguns dias depois, outro irmão do cãozinho ficou doente e precisou ser hospitalizado.

Como ninguém tinha certeza do que deixava os filhotes tão doentes, Rhett ficou isolado do seu irmão, em quarentena.

ANÚNCIO

A lembrança de um ninho cheio de amor, recheado de seus irmãozinhos e com a presença da mãe, se transformara em uma mera lembrança. Rhett tinha apenas a ele mesmo e sua mãe adotiva, Mariann.

Ciente de que esse processo não seria fácil, Mariann saiu para comprar uma caminha macia para o filhote, com cobertores e um camelo de pelúcia do tamanho dele. Infelizmente, para o filhote que estava sozinho, confuso e com saudade da mãe, a boa ação de sua dona não funcionou.

ANÚNCIO

Mariann então teve uma ideia. Percebendo que enquanto segurava Rhett ele se acalmava, ela comprou um saco de dormir para bebês. Eram para bebês humanos, mas todos os filhotes e bebês precisam da mesma coisa no final das contas: conforto e carinho.

Rhett gostou muito da ideia e aproveitou com carinho cada momento, enquanto ele se aconchegava contra o corpo quente de Mariann e sentia o coração dela bater.

Sabendo que Rhett poderia ficar muito dependente do saco de dormir, Mariann começou a limitar o tempo dele nela, começando com 20 minutos e diminuindo gradativamente. A cada sessão, Rhett ficava cada vez mais confiante, mesmo depois de sair.

Apesar de sua história começar bastante turbulenta, o cãozinho teve ao final, um final feliz. Hoje ele se tornou mais independente e brincalhão, adora explorar e se divertir com seus brinquedos. Ah, e seu irmãozinho voltou para casa saudável e livre da doença.