Cachorro salva sua família do incêndio a prédio abandonado em São Paulo

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Quando o prédio abandonado que pegou fogo e desabou, no Largo do Paissandu, centro de São Paulo, no dia 1º de maio do ano passado, o acontecimento tomou conta de todos os noticiários.

ANÚNCIO

Cães de serviço participaram das buscas por vítimas em meio aos escombros do prédio. Porém, um outro cachorro foi o grande herói que salvou a sua família.

Em um dos apartamentos do Edifício Wilton Paes de Almeida, onde viviam cerca de 317 pessoas, segundo a Assistência Social da Prefeitura, Bernardo, um pequeno cachorrinho sem raça definida, foi o primeiro a perceber toda a movimentação estranha dos outros moradores depois que o fogo começou.

ANÚNCIO

No momento do incêndio, os tutores do animal estavam dormindo e só souberam do que estava acontecendo depois de serem acordados pelo animal, que começou a latir ao notar a movimentação diferente no prédio.

De acordo com o tutor do animal, sua mulher foi até a janela para tentar entender o que estava acontecendo, até então eles achavam que era alguma briga. Até que ela viu o fogo subindo. Depois disso, só deu tempo de pegar o cachorro e descer correndo. Logo em seguida o prédio desabou.

O morador João de Jesus Santos viu o fogo pelo lado de fora e teve tempo de subir até o terceiro andar e salvar seus filhos, sua esposa e sua cadelinha mel. O carroceiro acabou perdendo seu instrumento de trabalho, a carroça que ficou por debaixo dos escombros do prédio, mas está com a sua família e a amada peluda.

ANÚNCIO

Infelizmente nem todos tiveram muita sorte. Alguns moradores relataram que não tiveram tempo de resgatar seus animais, outra disse que sua cadelinha até saiu de dentro do apartamento seguindo a tutora, mas que a pet se perdeu no meio da correria de gente nos corredores.

O número de animais que ficaram no prédio, que morreram e que se perderam ainda é desconhecido.

ANÚNCIO

Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado!

Fonte: E+ Estadão