ANÚNCIO

Quando Quinn e Gray nasceram em maio de 2016, eles eram como qualquer outro filhote da raça Dogue alemão saudável. No entanto, quando eles começaram a crescer, ficou claro que essas vítimas de uma muito má criação tinham extensas mazelas físicas que requeriam uma vida inteira de amor e atenção especial.

ANÚNCIO

A história de Quinn e Gray foi desoladora desde o começo. A mãe dos dois, “princess”, foi resgatada por uma mulher de Filadélfia que não suportava que o cachorro estivesse amarrado no quintal de um vizinho 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ela estava bem abaixo do peso, devido a uma dieta pobre e claramente em estado de saúde debilitado.

A mulher aproximou-se do seu vizinho apenas para descobrir, que ele cruzara a cadelinha com o seu irmão. A mulher convenceu sua vizinha a deixá-la adotar “princess” e para a levar imediatamente ao veterinário, onde descobriu que a cadela, de 11 meses de idade, estava de fato grávida.

ANÚNCIO

“Esta foi uma criação clássica de quintal, onde pouco ou nenhuns cuidados foi postos na criação”, disse Alicia Fox, mãe de Quinn e Gray. “Os dois tiveram cães da mesma ninhada e os criavam por dinheiro, não tendo absolutamente nenhum conhecimento sobre reprodução e criação de animais”.

A salvadora de Princess (princesa em português), entrou em contato com Anna Mosko, uma socorrista independente que trabalhava como gerente de escritório em uma clínica veterinária, para ajudá-la a encontrar lares amorosos para os filhotes da princesa. Mosko os levou para sua própria casa, onde ela garantiu que eles receberiam os cuidados de que precisavam sob a supervisão da Clínica Veterinária – World of Animals – em Elkins Park, Pensilvânia.

ANÚNCIO

Quatro dos filhotes, incluindo Quinn e Gray, tiveram dificuldade em aprender a andar e precisaram de cuidados especiais. Quinn e Gray também tinham deformidades ósseas, escoliose e problemas na coluna. Quinn tem atrofia muscular devido à sua incapacidade de andar e Gray sofreu ao que é comum ser chamado de  “crises de inchaços”, uma condição séria em animais em risco de vida e problemas sérios de saúde.

Eles passaram por vários testes com vários veterinários e especialistas diferentes, descartando uma série de doenças e condições potencialmente causadoras da aflição. “Embora ainda não tenhamos 100% de certeza sobre o que está acontecendo com esses quatro filhotes incríveis”, disse Mosko em julho de 2016, “eles são dos filhotes mais fortes, felizes e doces que já conheci”.

Fox e seu marido Brian, de Schwenksville, na Pensilvânia, estavam considerando adotar um Dogue Alemão quando um amigo pessoal lhes falou de Mosko e os convidou a irem ter com ela. Eles foram e conheceram os filhotes quando tinham apenas 5 semanas de idade e escolheram adotar Quinn assim que ele tivesse idade suficiente. “Eu escolhi Quinn porque ele era o mais preguiçoso na ninhada”, disse Fox. “Sua personalidade parecia se encaixar no que eu queria em um cachorro desta raça.”

Infelizmente, rapidamente descobriram que Quinn – que, apesar de ter fraqueza nas extremidades posteriores, tinha conseguido andar até às 9 semanas de idade – não conseguia mais andar e não estava claro se alguma vez voltaria a conseguir. “Disseram-nos que Quinn pode se deteriorar rapidamente e só teria alguma qualidade de vida por quatro meses”, disse Fox. “Nós recebemos a opção de não adotar Quinn muitas vezes [por Mosko], mas nunca vacilamos.”

Enquanto Quinn começou sua nova vida com a família Fox, em Julho de 2016, seu irmão, Gray e outro irmãozinho foram enviados para serem acolhidos por um massagista. Gray, que até à data era incapaz de andar, respondeu bem à massagem terapêutica e começou a andar.

Depois que o segundo filhote que estava morando com o terapeuta de massagens foi adotado, a família Fox decidiu assumir o acolhimento de Grey, de cinco meses de idade. “Nós pensamos que ter Gray por perto poderia influenciar Quinn a começar a andar por conta própria”, disse Fox.

Na época em que Gray veio morar com eles, Quinn era capaz de ficar de pé apenas com ajuda e só podia andar com uma funda em volta dele. No entanto, assim que teve o apoio de Gray, quase imediatamente começou a ficar de pé por conta própria. “Gray influenciou Quinn a andar mais, porque ele queria seguir Gray”, disse Fox. Não demorou muito para que os “Foxes” adotassem Gray também e oficialmente o fizessem parte da família.

Durante o ano e meio seguinte, os irmãos passaram por uma série de altos e baixos, mas, apesar de tudo, tinham um ao outro e seus donos eram  incrivelmente dedicados e fizeram questão de cuidar deles a cada passo do seu caminho.

Com a ajuda de fisioterapia e sempre com o precioso apoio de Gray, Quinn está dando grandes passos rumo à sua recuperação. Ele frequenta sessões semanais de acupuntura e hidroterapia, com Gray frequentemente acompanhando. “Gray fica muito chateado quando nós levamos Quinn para suas terapias [sem ele]”, disse Fox. “Gray fica a chorar até que o irmão chegue em casa, e assim que o vê chegar,  corre para o meu carro para se reunir com ele.”

Ambos sofrem de crescimento atrofiado e pesam apenas cerca de 70 quilos – tornando-os menores do que um Dogue Alemão médio, que geralmente pesa mais de 100 quilos.

Desde então, a família Fox investiu em equipamentos de terapia a laser frio e campos eletromagnéticos pulsados (PEMF) para poderem dar sessões de terapia diária a Quinn e Gray em casa.

Na verdade, a família tem uma rotina diária muito ocupada cuidando dos filhotes com necessidades especiais, que inclui uma dieta específica, refeições monitoradas para evitar o inchaço, exercícios de fisioterapia e alongamentos, mudanças de fralda e muito mais. “Depois de entrar em uma rotina de cuidados, é menos desafiador”, disse Fox.

Mas isso não significa que esses filhotes não tirem prazer nas coisas simples. Por exemplo, Quinn adora ficar deitada em camas confortáveis …

… Enquanto Gray adora se aconchegar no sofá.

Ambos adoram paus, embora Gray goste de brincar com eles e Quinn os prefira mastigar.

Eles também adoram acompanhar a sua mãe quando ela vai para o celeiro de cavalos em que trabalha

… Passando tempo com as crianças…

… E jogando seu jogo favorito de todos os tempos, “bitey face”.

Tug of war!

Uma publicação partilhada por Quinn and Gray (@quinns_story) a

Eles brincam ao “bitey face” desde que eram apenas filhotinhos.

@house.of.giants Quinn is on the left Gray is on the right. 😂 Enjoy!

Uma publicação partilhada por Quinn and Gray (@quinns_story) a

“Gray é o único cachorro que vai brincar com Quinn”, disse Fox. “Os outros cães simplesmente o ignoram.”

Embora Quinn e Gray tenham tanto em comum, suas personalidades são distintas. “Gray é extrovertido”, disse Fox. “Ele ama tudos e todos. Ele é muito entusiasmado e fica animado facilmente. ”

“Quinn é introvertido”, disse Fox. “Ele demora um pouco mais para se mostrar para novas pessoas. Ele é muito opinativo sobre qualquer atividade e suas expressões faciais podem facilmente dizer isso. Quinn adora dar às pessoas o “olho lateral” quando ele não aprova algo.

Embora Quinn ainda não esteja andando e talvez nunca seja capaz de fazê-lo por conta própria, sua vida mudou claramente para melhor com o apoio da sua família incrivelmente dedicada, da Great Babies Rescue (um grupo de resgate que tornou Quinn e Gray como “membros não oficiais) e especialmente do seu irmão.

“Quando Gray entrou em nossa casa, todo o comportamento de Quinn mudou”, disse Fox. “Antes de Gray, ele passava muito tempo sozinho. Tínhamos uma babá, mas o nível de energia e o nível de felicidade de Quinn definitivamente aumentaram por causa de Gray. ”

“Gray e Quinn me ensinaram que nunca devemos desistir e você sempre será capaz de mais do que pensa”, disse Fox. “Cabe a você avançar para seus objetivos e não ter medo de contar com a ajuda de amigos.”


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado

Tradução e adaptação Portal do Animal / Fonte: The Dodo

Você pode gostar: