Stinger, um pit bull que nasceu surdo, foi resgatado por socorristas da ONG Greater Grand Rapids, nos EUA, vivendo nas ruas com terríveis feridas sobre a pele.

Ao chegar no abrigo para ser tratado, os veterinários encontraram seu corpo coberto de bolhas na carne viva. Sua situação era tão precária que eles chegaram a cogitar a eutanásia do cão (sacrifício) para acabar com seu sofrimento.

Mas Carri Shipaila, que dirige o grupo de resgate animal LuvnPupz, decidiu intervir, sendo a voz dissonante da maioria: ela disse que Stinger poderia sobreviver com o tratamento correto.

Leia Também: Jovem encontra filhotes presos dentro de caixa no meio da rua: ‘Poderiam ter morrido sufocados’

O processo de recuperação do cachorro foi intenso e bastante desafiador: era preciso medicar suas feridas, tratar a sarna e banhá-lo diariamente. Coloque-se no lugar de Stinger: imagine só lavar suas feridas abertas todos os dias? Imagine a dor que ele estava sentindo!

A infecção de Stinger era tão grave que ele acabou desenvolvendo pênfigo, uma doença autoimune que ele terá pelo resto da vida.

Ele precisa receber cuidados constantemente, de modo que requer atendimento veterinário o todo tempo. Assim, o cãozinho nunca poderá ser adotado…

Isso não quer dizer que ele será menos feliz ou completo: os voluntários da LuvnPupz vão cuidar dele até seus últimos dias, garantindo que ele seja amado e bem-cuidado, como ele merece.

Leia Também: Cachorrinha deprimida que passou 2 anos sozinha em abrigo reencontra seu dono


Gostou da matéria? Compartilhe este artigo. Isso nos ajuda a espalhar bons conteúdos nas redes sociais. Obrigado!