Durante a 18ª reunião do CITES – Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção, 183 países ratificaram um acordo que limita fortemente a exportação de elefantes africanos e o manejo deles de seus habitats naturais.

A reunião decidiu que os elefantes do Botsuana, Zimbábue, Namíbia e África do Sul só podem ser exportados para países do continente africano, onde haja reservas e parques ecológicos que os protejam de caçadores. Há apenas uma exceção: espécimes podem ser enviados para fora de seu habitat se comprovado que há um benefício real na conservação e segurança dos mesmos.

Leia também: Mulher encontra casal de cachorrinhos abandonados em Goiânia: ‘Eles precisam de um lar!’

O CITES é um grande acordo multilateral, que conta com a participação de 90% de todas as nações reconhecidas do mundo – dos países latinos e nações insulares da Oceania à União Europeia. A aprovação de uma resolução tão forte e importante foi considerada uma vitória da conservação e do ativismo ambiental. Os elefantes agradecem!

“É uma grande vitória para o bem-estar animal que o sequestro de jovens elefantes de suas famílias tenha sido proibido de levá-los a zoológicos”, diz Frank Pope, CEO da ONG sem fins lucrativos Save the Elephants, sediada em Nairóbi.

“Como nós, os elefantes sentem alegria quando se reencontram com a família e dor quando são brutalmente separados. Como nós, eles precisam de amigos e espaço para prosperar. Os danos físicos e psicológicos causados ​​aos elefantes por sua captura traumática e sua vida empobrecida em cativeiro estão bem documentados”, declarou Joyce Poole, especialista em comportamento de elefantes.

Leia também: Cadela idosa é acolhida por nova família semanas depois de ser abandonada em cemitério

Compartilhe o post com seus amigos! 😉